Cinema em Casa: A Razão Do Meu Afeto (1998)

Source: Google Imagens

Tá aí um filme que me surpreendeu. O que me incentivou a escolhe-lo no catálogo, foi o elenco. Tenho um afeto por Jennifer Aniston e Paul Rudd desde Friends e também curto assistir comédias românticas. Fora isso, pré-julguei o filme como sendo mais um “água com açúcar” – não que isso seja ruim, vai, mas achei que fosse ver um pouquinho mais do mesmo, também pelo fato de não ter lido à sinopse #fail (hahaha).

A história conta a vida de Nina Borowski (Jennifer Aniston), uma assistente social que tem uma relação não tão feliz com o advogado Vince McBride (John Pankow). George Hanson (Paul Rudd) é um professor de escola primária que namora há 4 anos Robert Joley (Timothy Daly) e fica sabendo que seu companheiro irá dispensá-lo através de Nina, em um jantar recepcionado por sua meia-irmã Constance (Allison Janney) cuja filha é aluna de Paul. A partir daí, onde Nina e George se conhecem, é que começa a história dos dois.

George vai morar com a assistente social após o término de seu relacionamento. Eles ficam cada vez mais amigos, dividindo não apenas o apartamento, mas também experiências, principalmente amorosas. Cada vez mais desencantada com Vince, Nina passa a se aproximar cada vez mais do amigo, e sem perceber, apaixona-se por ele. Porém, as coisas se dificultam

quando ela descobre estar grávida de Vince e não querer casar-se com ele, e sim, criar seu filho com George. Nina chega a fazer esta oferta ao amigo, mas ele fica em dúvida, já que seria no mínimo estranho, pois George não pensa em ter este tipo de relação com ela. Nina o assegura de que sua vida não precisará mudar e que eles criaram novas regras. Depois de um certo tempo e de presenciar uma cena entre pai e filho enquanto passa pela rua, George aceita sua oferta e Vince tira seu time de campo. Mas a vida incomum dos

Source: Adoro Cinema

amigos ficará incomum demais para Nina e é a partir daí que sua mente fica confusa e seus sentimentos caem por terra da mesma forma.

O enredo aborda a temática homossexual de forma natural e leve. É interessante a forma como o filme mostra a chegada e saída de tantas pessoas nas vidas uma das outras e quantos tipos de relacionamento se formam com a passagem delas. Também mostra como o destino toma vários caminhos diferentes sem nos darmos conta, simplesmente pelas escolhas que fazemos. Eu, particularmente, gostei muito do filme e recomendo para quem quer relaxar e curtir uma comédia romântica de forma diferente. Paul Rudd está uma gracinha (*-*) e Jennifer me lembrou muito as primeiras temporadas de Friends. Hahaha. Steve Zahn aparece um tanto galã na pele do irmão de George, dr. Frank.

Se você já assistiu a este filme, me conta: o que achou?

Trailer em Inglês (sem legenda)

Series Addicted: Orange Is The New Black

Hoje vim falar sobre uma das séries que viciou ultimamente: Orange Is The New Black. Abri este espaço para expressar o quão empolgada estou para a 2ª temporada que estreia amanhã (06/06) exclusivamente pela Netflix.

Confesso que tomei coragem para assistir depois de ficar entediada com o término da mais recente temporada de The Big Bang Theory, meu último vício em forma de seriado. Não sou de ficar assistindo todas as séries que são lançadas, nem as mais comentadas, alguma coisa tem que me chamar atenção para me tornar espectadora. E, por algum motivo, OITNB cumpriu este papel. Eu havia lido algumas poucas coisas sobre a história, bem superficialmente, porém, com o final da 7ª temporada de TBBT, o “empurrãozinho” foi dado para descobrir algo novo.

A história foi me cativando à medida que os episódios passavam. O jeito meio “Lost” de contar a vida das detentas me chamou a atenção; fiquei com receio de que fossem passagens desinteressantes que servissem só para encher linguiça, mas me enganei. Gostei muito do enredo de cada flashback, principalmente o da transexual Sophia Burset, vivida pela atriz Laverne Cox.

Os trejeitos de cada personagem também são bem interessantes, o que torna a história mais dinâmica. Divididas entre brancas, negras e latinas, cada qual tem suas próprias histórias e peculiaridades, o que impede que cada uma passe despercebida. Quem não se diverte com a alegria e o jeito próprio de se expressar de Taystee?

As peculiaridades de Suzanne a.k.a Crazy Eyes:

A liderança de Red:

O fanatismo de Doggett:

Os dilemas de Piper:

E muitas outras histórias e personagens para você se deliciar!

Quem mais curte OITNB?

Imagens: Tumblr e Google Imagens