Dúvidas, sempre dúvidas.

Além dos questionamentos alheios, também me questiono muito, todos os dias. Sei que não sou a única, claro. Cada um lida com suas próprias dúvidas e suas próprias cobranças. Mas há algo que sempre me pergunto: até onde a cobrança alheia afeta minhas próprias escolhas?

Source: google imagens

A sociedade nos cobra tanto e não nos dá nada em troca. Já dizia o meu velho. Essas é uma das grandes verdades da vida que levo sempre comigo. Como muitas pessoas, sempre fui questionada sobre minhas escolhas, desde pequena. Já sofri preconceito dentro do meu próprio âmbito familiar, sempre fui apontada por terceiros quanto a minha aparência. Isso tudo, claro, foi afetando a minha mente e, sempre me pondo dúvidas que pareciam impossíveis de solucionar.

Sempre segui um caminho do “seja você sempre”, independentemente de qualquer coisa. Mas, apesar de uma certa determinação, é difícil lidar. Até hoje, nos últimos dias dos meus 23 anos, ainda recebo comentários de pessoas estranhas, que geralmente dizem: “Nossa, como você é magrinha”, “nossa, como é branca”,”você tem anorexia? vá ao médico!”, “você precisa comer” – este último sendo de autoria de um funcionário de self-service. Veja bem, eu sempre tento seguir à risca a política do “não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você”. Eu não questiono se alguém é gordo, magro, alto, baixo, preto, branco, amarelo. Somos todos seres humanos, afinal. Então, me pergunto: por que diabos isto faz tanta diferença para o outro?

source: google imagens

Bem, este é um assunto que pode se estender muito, mas muito mesmo. Cada um deve ter um problema parecido, até aqueles que praticam a arte da controvérsia. Mas, a verdade mesmo, e mais simples possível é a de que ninguém é perfeito. Todos sabemos disso, mas parece que é difícil de aceitar, não é? Ainda mais nós, mulheres. Somos questionadas a mesma proporção de nossas qualidades.

Por conta de tais comentários, comecei a questionar minha aparência, minha pessoa, e o resultado disso foi uma baixa auto-estima, como esperado. Como alguém que tem dificuldades para emagrecer, eu tenho para engordar, além de outros problemas. Comecei minha busca por algo que eu não era, que provavelmente nunca chegaria a ser e esqueci de me amar e me aceitar do jeito que sou, pelo o que eu sou. O tempo e a experiência me ensinaram a desencanar mais de opinião alheia e procurar valorizar o que tenho de melhor. Esta não é uma luta ganha, mas é um passo muito grande em busca da vitória, e esta só vou conseguir conhecer por completo se eu continuar tentando.